Vivemos hoje a chamada quarta Revolução Industrial. Um novo conceito de produção integrada e monitorada por 24 horas, mesmo remotamente, que permite aos gestores economizar energia e insumos, ainda obtendo maior controle dos custos operacionais.

Também chamada de indústria 4.0, ela já é uma realidade. Por isso, conhecer os seus fundamentos é essencial para quem quer continuar competitivo. Continue lendo este artigo e entenda qual é a relação dessa transformação com o mercado de sorvetes!

O que é a indústria 4.0?

Como dissemos, a indústria 4.0 é uma mudança do sistema produtivo em todos os seus níveis de automatização, dos dispositivos em campo até o gerenciamento corporativo. É como um conjunto de várias tecnologias empregadas — robótica, inteligência artificial, realidade aumentada, big data, impressão 3D, internet das coisas (IoT).

Quais são os seus princípios?

Seguindo esse caminho, no futuro as indústrias serão gerenciadas por meio de sistemas ciberfísicos. Para isso, são necessários 6 princípios básicos:

  1. capacidade de operar dados instantaneamente, para que as decisões sejam tomadas em tempo real;
  2. rastreabilidade e monitoramento remoto dos processos por meio de sensores colocados em toda planta, além de um backup virtual (virtualização);
  3. descentralização — os processos já não estarão apenas nas mãos dos gestores, mas também no sistema ciberfísico, conforme as necessidades da produção. Até as máquinas poderão mandar comandos fornecendo dados do seu trabalho;
  4. orientação das arquiteturas de software para o conceito de internet of services;
  5. abandono do estoque — a produção passa a ser sob demanda, acoplamento e desacoplamento, proporcionando flexibilidade as tarefas das máquinas;
  6. capacidade total de comunicação, que se dará entre ciberfísicos, humanos e fábricas inteligentes. Essa intermediação ocorrerá por meio da internet das coisas (interoperabilidade).

Um bom exemplo disso está na indústria automobilística. Por meio de robôs, ela tem feito o transporte de peças dentro do chão de fábrica, além de contar com braços robotizados para a colocação das peças e óculos com realidade virtual que permitem que funcionários e clientes visualizem o interior do carro.

Outra evolução ocorreu na medicina do trabalho, em que estudos feitos com tecnologia avançada desenvolveram um exoesqueleto a ser usado pelos funcionários, amenizando as sobrecargas em seus corpos.

Como a indústria 4.0 se aplica ao mercado de sorvete?

Esse conceito passa por etapas que também podem ser aplicadas às indústrias de sorvetes, automatizando e otimizando a produção. Para isso, são necessários parceiros capacitados para integrar máquinas da linha de produção a sistemas de gestão.

A equipe também deve estar aberta à mudança, capaz de desenvolver habilidades em mecânica, elétrica e automação para trabalhar com os equipamentos que produzem sorvetes. Além disso, é preciso compreender o funcionamento dos maquinários e demais processos para obter informações e saber interpretá-los.

O que é preciso para implementá-la nos negócios?

Primeiramente, faça um mapeamento para identificar os seus pontos de oportunidade. Da mesma forma, busque saber quais são os pontos de controle, as variáveis e as tecnologias que poderão ser instaladas.

Feito isso, é o momento de implantar essas tecnologias. É importante também avaliar os processos administrativos, reconhecendo as necessidades que a equipe terá para se adaptar e desenvolver todo o trabalho dentro da empresa. Então, com a estrutura pronta, comece a implantação da automação e da comunicação, verificando quais equipamentos devem ficar conectados às máquinas por meio de um software especializado.

Uma vez que estejam conectados para a produção de sorvetes, os equipamentos receberão comando e dados de forma remota. E como esse processo é automatizado, você ganha flexibilidade na personalização de variados produtos.

O funcionamento de todas as ferramentas e a gestão serão monitorados pelos recursos de inteligência das máquinas. A Finamac, por exemplo, oferece a vitrine VISTA, que conta com um sistema de solução por controle remoto (opcional na compra do equipamento) para o monitoramento via celular ou desktop, com administração remota, armazenamento contínuo de dados e relatórios de acompanhamento.

Pequenos e médios produtores de sorvetes conseguem transformar a sua indústria?

Atualmente, o SENAI realiza trabalhos pilotos com 56 empresas de pequeno e médio portes testando IoT, sensoriamento, cloud computing e analytcs. Os empresários interessados solicitam um diagnóstico gratuito pela plataforma do SENAI 4.0, lançada em 2018. O resultado servirá para elaborar um plano personalizado de tecnologia gratuito para seu negócio.

Podemos citar o exemplo da fábrica de doces Docile, de Vitória de Santo Antão (PE), que em maio começou a digitalização de sua produção para aumentar a produtividade.

Os equipamentos na sua indústria receberam sensores para emitir informações quanto ao funcionamento e o volume de produção, tudo armazenado em nuvem. Enquanto isso, os funcionários avaliam esses dados em tempo real. Essas são medidas simples, baratas e acessíveis, mas com bons resultados já a curto prazo.

O Sebrae ainda tem um programa chamado Sebraetec, que possibilita a inovação tecnológica aos pequenos negócios, implementando serviços como:

  • cursos;
  • metrológicos;
  • diagnóstico tecnológico;
  • aperfeiçoamento tecnológico;
  • certificação;
  • desenvolvimento tecnológico,
  • prototipagem.

Ficou interessado? Basta procurar uma unidade do Sebrae e solicitar a sua avaliação!

Afinal, o mercado de sorvete é promissor?

No mês de junho de 2018 foi realizado a 2ª edição do Congresso Latino-Americano de Sorvetes-Helados, em São Paulo, reunindo vários empresários da área. O Sebrae de Minas Gerais esteve presente com o gestor de projetos Anderson Gonçalves de Freitas, que considerou o mercado de sorvetes um campo vasto a ser explorado no Brasil.

Inclusive, uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira das Indústrias e do Setor de Sorvetes no Brasil diagnosticou que o país detém 40% do mercado na América Latina, com consumo per capita acima da média mundial: 5,44 litros por pessoa/ano. Dados como esses demonstram, sem dúvida, uma possibilidade de crescimento — ainda mais visto que o Brasil é um país tropical com mais dias de calor do que de frio.

Enfim, vimos neste conteúdo a importância de evoluir o seu negócio com a indústria 4.0. Também vimos a forma de aplicá-la ao mercado de sorvetes e que mesmo pequenos e médios empresários podem ter acesso a essa transformação digital. Então, o que você está esperando?

E agora, se gostou do nosso post, aproveite para entrar em contato conosco e veja como podemos lhe ajudar!

Powered by Rock Convert